O ESPAÇO CERTO PARA VOCÊ, SUA FAMÍLIA E SEUS AMIGOS

SEJA MUITO BEM VINDO

  HOME

  QUEM SOMOS

  A POUSADA

  LOCALIZAÇÃO

  SERVIÇOS

  EVENTOS

  INSTALAÇÕES

  ACOMODAÇÕES

  FOTOS

  TURISMO - SJB

  LINKS ÚTEIS

  TEMPO E NOTÍCIAS

  RESERVAS

  SAC - FALE CONOSCO

  ACESSO EMAILS

CONHEÇA-NOS

ENTRE EM CONTATO

     

   

TURISMO - SÃO JOÃO DA BARRA - RJ

CARACTERÍSTICAS LOCAIS

Localizado na margem direita da foz deltaica do rio Paraíba do Sul,

o município de São João da Barra está inteiramente situado sobre a restinga

e sobre o aqüífero Barreiras Recente, que fornece água pura e límpida para localidades como Barcelos, Grussaí, Açu e Cajueiro.

 

Possui bolsões de mata atlântica de transição para a vegetação de restinga.

 

A cidade fica na parte mais baixa da planície goitacá,

a uma altitude de seis metros acima do nível do mar.

 

DATAS DE FUNDAÇÃO

Em 1630, o pescador Lourenço do Espírito Santo, acompanhado de mais 30 moradores de Cabo Frio, funda o povoado de São João Batista da Barra.

 

Em 6 de junho de 1676 o povoado foi elevado a vila com o nome de Vila de

São João da Praia, conquistando a independência político-administrativa.

 

Em 17 de junho de 1850 a vila foi elevada à categoria de cidade,

com o nome atual.

 

COORDENADAS DA SEDE

 

Latitude Sul 21º 38’13”
Longitude W.Gr. 41º 03’03”
 

ÁREA TERRITORIAL

 

431,9 km2, dividida em três distritos:

Sede, Barcelos e Pipeiras.

LIMITES

 

Norte – São Francisco do Itabapoana
Oeste e Sul – Campos dos Goytacazes
Leste – Oceano Atlântico.

 

POPULAÇÃO

 

27.578 habitantes (Censo de 2000)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ACESSOS

 

Fica a 330 km do Rio de Janeiro e a 38 km da cidade de Campos dos Goytacazes,

pela BR-101 e depois pela BR-356.


Vindo do Espírito Santo – seguir também pela BR-101 até Campos e daí pela BR-356.

 

Estradas municipais levam às praias e às localidades do interior.
 

 

CLIMA

Ameno, com temperaturas médias de 21º C no inverno e de 25 a 30º C no verão.

Baixa pluviosidade. Vento predominante – nordeste. Tem 32 quilômetros de praias.

A água do mar na praia de Atafona tem cor barrenta por ser ali que desemboca o rio Paraíba do Sul,

trazendo sedimentos e pela alta concentração de iodo, de teor terapêutico.

A areia da praia apresenta faixas de coloração preta, com brilhos metálicos.

São as ocorrências de areia monazítica, de radiatividade leve e de ação medicinal.

 

PRINCIPAIS ATIVIDADES ECONÔMICAS

Turismo, agropecuária, olericultura e fruticultura nativa, castanhas de caju cozidas, pesca, indústrias de bebidas, de vassouras, e de fios têxteis, olarias, farinha de mesa; usina de açúcar e doces batidos caseiros – banacaxi, goiabada, caju com castanha, araçá pero, abóbora com coco e outras.

 

Artesanato em palha e conchas, bordados. Grande parte da arrecadação municipal,

quase 70%, vem do repasse dos royalties do petróleo (poço de Roncador).

PONTOS TURÍSTICOS

(CLIQUE NAS MINIATURAS PARA AMPLIAR AS FOTOS)

 Lagoa de Grussaí

Lagoa de Iquipari

Mangue

Jeep Club de São João Da Barra

Centro Cultural Narcisa Amália

FÓRUM

RUA DAS PALMEIRAS

IGREJA

RUÍNAS

Praia e Lagoa Iquipari

Praia de Grussaí

MAPA

HISTÓRIA SIMPLIFICADA DE SÃO JOÃO DA BARRA

Foi a partir de 1630, com a chegada de um grupo de pescadores de Cabo Frio, que se iniciou efetivamente a povoação do Norte Fluminense.   Com a morte da mulher do pescador Lourenço do Espírito Santo, este se retira do pontal da barra

– onde hoje se localiza Atafona – indo fixar residência mais para o interior num pequeno elevado de areia junto ao rio Paraíba do Sul.   Após construir sua pequena cabana de palha Lourenço logo foi seguido por outros pescadores,

dando eles início a construção de uma pequena ermida em louvor a São João Batista.


Durante muitos anos o pequeno povoado pouco se modificou, sendo que já em 1644 era a capela de São João confirmada pelo prelado D. Antônio de Maris Loureiro, época em que se delineavam os contornos do pequeno arraial contando com algumas casas, todas de palha, situação que vai perdurar até a elevação do povoado a categoria de Vila em 1676.

Segundo o historiador Fernando José Martins.   Ainda segundo Martins, a população da recém criada Vila era de aproximadamente 30 pessoas que ele relaciona a sua obra.


Dedicando-se à pesca, a algum transporte de mercadorias, criação de gado vacum e cavalar e ao início da cultura de cana, foi que viveu durante o século XVII a gente dessa terra.   Por essa época, foram abertas a Rua da Boa Vista, a única que existiu durante muitos anos e a Rua Direita, inicialmente chamada, de Rua do Caminho Grande e que servia para os moradores da barra para virem às missas e negócios na vila.


Com o alvorecer do século XVIII, tomou importância o transporte fluvial entre a vila de Campos e vizinhança com o porto da Bahia, para onde seguia toda a produção açucareira, via São João da Barra.  Isto fez crescer a entrada e saída de embarcações em nosso porto, com isso iniciando um pequeno desenvolvimento urbanístico na vila, que passa a contar com um maior contingente populacional.  Neste período é intensa a vinda de portugueses para a vila, e consequentemente um maior número de casas. Neste século houve a abertura de novas ruas como a Rua do Rosário aberta em 1774, a do Passos em 1778, com o nome de Rua São Benedito, a do Sacramento em 1792 e a da Banca, que formava a parte de frete da vila em relação à barra.

São dessa época as melhorias na Igreja Matriz e na Casa da Câmara e Cadeia Pública que foram reformadas sendo construídas de pedra e cal com suas respectivas cobertura de telhas confeccionadas na única olaria existente.


Com o crescimento da vila, surgem novas devoções religiosas e dessa forma, o século XVIII vê nascerem às irmandades do Santíssimo Sacramento e Senhor dos Passos, anterior a 1730, época em que se inicia a construção de sua capela anexa à igreja matriz, e a de Nossa senhora do Rosário em 12 de outubro de 1727, também logo erguendo junto à matriz uma capela para a mãe de Deus.   Data de século o início da devoção de São Benedito que teve sua irmandade criada e

posteriormente em 1816 iniciadas as obras de sua igreja.  Era por essa época muito pobre a vila de São João Batista da Barra,

fato que se pode verificar em documentos transcritos por Fernando J. Martins, e em 1750 o Senado da Câmara determina através de decreto, que sejam providenciadas alfaias decentes para a acomodação das autoridades que visitassem a vila por ocasião das correições.   Também em 08/12/1751 outro decreto determina que não mais se construam no perímetro urbano casas cobertas de palha, o que denota um melhoramento urbanístico na vila.


Contudo era ainda a vila muito pobre, conclusão tirada pela descrição do Capitão Manoel Martins do Couto Reys que em 1785

assim descreve a vila: “He muito pobre e pouco populosa: está situada tão bem em huma planície sobre áreas na margem do Paraíba. Distante de sua barra, pouco mais de meya legoa.  Contém dentro em si 111 fogos unicamentea tem dos que se manifestão nos seus lugares exteriores.”  É ainda Couto Reys quem nos informa que neste mesmo período havia neste número de fogos 31 casa cobertas de palha e 80 de telha das quais cinco são ocupadas com pequenas lojas

e dois com tabernas. Dessa forma vai andando a vila que conhecerá progresso e notoriedade com início do século XIX.


O alvorecer do século XIX trouxe para o Brasil a Família Real e com ela todo um entourage palaciano que acomodada no Rio de Janeiro necessitava de gêneros diversos.   São João da Barra, que já vinha se dedicando ao comércio dessa região com aquela cidade passou a suprir as necessidades da recém instalada Corte.  Se o comércio se intensificou, melhoraram as condições financeiras dos habitantes que, por conseguinte também melhoraram seus costumes e hábitos.


Aos poucos a vila foi conquistando melhorias; novas irmandades foram criadas, como a de São Benedito, São Miguel e Almas, e a Ordem Terceira de Nossa Senhora da Conceição e Boa Morte e São Pedro, além das devoções de Nossa Senhora das Dores e Nossa Senhora da Penha, na Barra, foram abertas escolas públicas e particulares, prédios vistosos e elegantemente construídos, os Jovens das principais famílias mandados para Universidades, sociedades musicais e dramáticas inauguradas.

 

De forma que visitando a Vila em 1847 o Imperador D. Pedro II não teve dúvidas que o progresso visto era sinal que a vila merecia ser elevada a cidade, o que fez através de decreto datado em 17 de Junho de 1850.


Econômica e socialmente, São João da Barra alcançou seu apogeu neste período o que atesta a descrição do Almanaque Laemmeth “... A cidade edificada à margem direita do Rio Paraíba (...) tem 804 casas entre as quais 46 sobrados de um ou dois andares; destas casas são habitadas 758, dividindo-se em 19 ruas, 39 becos e travessas e seis praças. Tem 4.790 habitantes, dos quais 2.623 do sexo masculino e 2.167 do sexo feminino. As ruas e praças são apenas calçadas nos passeios junto às casas, mas o terreno é todo arenoso e enxuto...”.


Foi neste século que inauguraram, com o auxilio do imperador, a Santa Casa de Misericórdia; a Usina Barcelos, propriedade do barão de mesmo nome; duas Companhias de Navegação; uma Companhia Agrícola; uma Companhia de Cabotagem; a Companhia da Valla Navegável do sertão de Cassimbas; a Sociedade Beneficente dos Artistas, que construiu em 1902 o Teatro São João; a Sociedade Marítima Beneficente; a Sociedade Musical e Carnavalesca Lira de Ouro e a Banda Musical União dos Operários, sucessora da extinta Lira de Ferro, fundada anteriormente e a loja Maçônica Capitular Fidelidade e Virtude, datada de 24 de março de 1839.


O progresso que alcançou a cidade por essa época fez instalarem-se os vice-consulados de Portugal, Espanha, Baviera e Paises Baixos, que cuidavam dos interesses desses países em seu comércio com São João da Barra.


As Escolas aumentaram em número e qualidade, hotéis foram abertos, bilhares, padarias, alfaiatarias, barbearias, ferrarias, funilarias, tornearias passaram a funcionar movimentando o comércio da cidade que chegou a contar com Tipografias, e Relojoeiros, Poleeeiros, Açougues; 60 Lojas de Tecidos, mais de 50 de Secos e Molhados, Seleiros, Agência de Aluguel de Carros, Agências de Serviços Fúnebres, Despachadores de Embarcações, Boticários, Sapatarias, Estaleiros de Construção Navais, Fogueterias, Marcenarias, Olarias, Fábricas de Charutos, Cigarros e Licores, Lojas de Maçames e Tintas, Fotógrafos e Retratistas, Bilhares, Oficinas de Calafates e Trapiches.


A navegação de cabotagem, os navios a velas e a vapor movimentavam o Porto Sanjoanense que se desenvolvia paralelamente ao crescimento da cidade que começou a receber Portugueses de diversos pontos da metrópole.

 

É neste, que chegaram aqui os Nunes Teixeiras, os Ribeiros de Seixas, Os Lobato, Cintra, Melo, Lisboa, Pinto da Costa, os Moreira, os Carrazedo, Souza e Neves, Tinoco, Gomes Crespo, Souza Valle, Costa Araújo, Mattos Alecrim, Pavão, Maia da Penha, Motta Ferraz, Macedo, Ferreira de Azevedo, Costa Cobra, Rebola, Lopes, ou seja,

os principais troncos das famílias que hoje povoam a cidade.


E foi dessa forma que o progresso se instalou durante o século XIX dando-lhe prestígio e notoriedade.

 

Mas o iníciar do século XX, mais precisamente em 1918, após a venda da Companhia de Navegação, e com a abertura da navegação de cabotagem a navios estrangeiros, fez todo esse progresso desmantela-se qual Castelo de Areia.

 

Do progresso, São João da Barra conheceu a ruína que só não foi total pelo surgimento da Indústria de Bebidas Joaquim Thomaz de Aquino Filho, sustentáculo da economia sanjoanense por todo este século que termina.

 

E só agora com os adventos do Petróleo e do Porto do Açú, o desenvolvimento retorna a Cidade de São João da Barra,

150 anos após a criação da Cidade.

VALE A PENA CONHECER...

(CLIQUE NAS MINIATURAS PARA AMPLIAR AS FOTOS)

Antigo Grupo Escolar


Bela edificação tipo “chalet” ao gosto romântico, típico do último quartel do séc. XIX, com elementos decorativos que denotam apuro formal e construtivo.  O prédio tem construção anterior à implantação do colégio, servindo inicialmente de residência da família do rico armador de navios Manoel José Nunes Teixeira, o Coronel Teixeira, e sua mulher D. Mariana Teixeira.
 

Em 12 de dezembro de 1922 é inaugurado o Grupo Escolar Alberto Torres pelo presidente do Estado, Raul de Moraes Veiga, funcionando com este uso por quase 50 anos. Desativado em 1970 devido à precariedade da conservação e incompatibilidade com as necessidades de espaço.
O edifício é construído de um único corpo de dois pavimentos com planta retangular.

Uma escada lateral de cantaria e guarda corpo de serralheria, serve de acesso ao segundo andar.
Sua fachada principal é vazada por oito janelas de vergas retas, guarnecidas por esquadrias de vidro e veneziana.   O pavimento superior possui quadro janelas rasgadas com sacada corrida em serralheria.

No tímpano, um óculo central coroa a frontaria.

Igreja Matriz de São João Batista

 

 A mais antiga igreja de São João da Barra, erigida em louvor do padroeiro São João batista em 1630.

 

Era uma pequena capela de madeira e localizava-se no
mesmo local onde hoje existe o belo templo da Matriz.

Sendo de construção precária, poucos anos após erigida, já esse pequeno santuário achava-se completamente inservível, o que levou à sua reconstrução em 1679 e à sua reforma em 1713.
 

Uma tragédia ocorreria na madrugada de 15 de julho de 1882, um pavoroso incêndio destruiu quase totalmente o magnífico templo.

Sua reconstrução em alvenaria motivou as autoridades e a população.

 Neste incêndio só permaneceram de pé as duas capelas laterais.

 

A torre sineira e de construção posterior ao resto de templo.

Construída com estilo Barroco Rococó é uma das poucas igrejas brasileiras cruciforme, ou seja tem a nave em formato de cruz.

 

Antiga Casa da Câmara e Cadeia Pública


Construída em terreno adquirido de D. Cecília Andrade, a Casa da Câmara e Cadeia Pública foi edificada pelo construtor Antônio Fernandes da Silva em 1709, posteriormente reformada em 1736, sendo o presidente da Câmara nesta época o corregedor José Pinto Ribeiro.  A construção não se caracteriza pelo cuidado com a forma,

mas apenas com a resistência sendo suas paredes de grossura invulgar e as janelas fechadas por grades tramadas em rede.

 

Fórum Municipal


O prédio que hoje abriga o fórum de S. J. da Barra foi mandado construir no século XIX para residência do rico traficante de escravos o comendador André Gonçalves da Graça e sua esposa D. Clarinda Dias de Jesus.


Por ser o prédio mais elegante e confortável da época, serviu para hospedar D. Pedro e sua comitiva quando da visita destes à nossa cidade em 1847.

 

Cine Teatro São João
O prédio teve sua construção iniciada no início do século XX para ser a sede da Sociedade Beneficente dos Artistas (SBA). Foi inaugurado em 1906. Com a difusão do cinema ganhou mais essa função até a década de 80. Fechado, em ruínas e sem funcionamento até 2005, foi adquirido pelo poder público na gestão da prefeita Carla Machado. Reformado, foi devolvido à sociedade no ano de seu centenário. Em seu interior há dois projetores a carvão de fabricação alemã. Localiza-se na Rua Gladys Teixeira, no centro da cidade.

 

Estação das Artes Derly Machado


Segunda estação ferroviária do município, construída por volta de 1910. Com a decadência do porto, os trilhos foram a forma de transporte de pessoal e material. Pertencente à Companhia Inglesa Leopoldina Railway, foi desativada quando o transporte rodoviário ganhou força. Por anos sediou a Delegacia de Polícia e o DPO da cidade.   Em quatro de julho de 2008, foi inaugurado para ser mais um espaço de fomento à arte no município passando a se chamar Estação das Artes Derly Machado.

ATAFONA

O nome Atafona é de origem indígena e significa moinho de vento.

Atafona possui o segundo maior delta do país e o terceiro clima medicinal do mundo.

É em Atafona também, que ocorre o processo de transgressão do mar, que consiste na invasão do mar

sobre o continente.    O mar exibe sua força e impressiona moradores e turistas.

A praia de Atafona no litoral norte fluminense, é onde deságua o Rio Paraíba do Sul.

As fortes ondas do mar avançam cada vez mais sobre a cidade e o processo de erosão marinha transformou, ao longo dos anos, as construções em ruínas.  Esse fenômeno ocorre desde a década de 50 e nos últimos 30 anos, mais de 150 casas, em 14 quarteirões, foram destruídas.

Mesmo refletindo caos e destruição, a praia de Atafona possui sua beleza, com um misto de tranqüilidade e desolação, que inspira muitos fotógrafos.  Nos últimos tempos o oceano avançou sobre mais três ruas da localidade do município de São João da Barra, numa amostra de

como a ação do homem sobre o meio ambiente pode se voltar contra ele.


O Pontal de Atafona, que abrigou uma comunidade de pescadores no passado, viu nas ultimas décadas suas ruas sumirem, serem comidas pelo mar.   Isso aconteceu devido à sua localização, exatamente na foz do rio Paraíba do sul; esse rio possui o estuário do tipo delta, como um leque, e por isso móvel.

Numa escala de tempo geológica, provavelmente o local já foi coberto d`agua e agora o processo se repete, neste bate boca entre o rio e o mar. 

O mar em Atafona começou a avançar há cerca de 20 anos por conta de um fenômeno natural chamado por algumas pessoas de transgressão do mar. Desde então, o mar engoliu casas, árvores e muita coisa que encontrou pela frente.   O mar também formou uma grande duna no começo de Atafona.

Sol, mar e areia com benefícios medicinais tornam Atafona especial e intrigante,

pois diferente das belas paisagens costeiras do Brasil, o cenário é de destruição.

Prédios e casas dos quais só se vêem as paredes. Ruas e quarteirões que deixaram de existir.

E desta vez não foi culpa do homem. Esse cenário foi construído pelo mar.

 

É engraçado visitar Atafona. Caminhando pela praia você pode encontrar coisas como paredes,

tetos e até partes internas de casas. É um cenário totalmente diferente.

Para a colônia de pescadores artesanais de Atafona, formada por pessoas de baixa renda,

o avanço do mar é uma ameaça também para o seu sustento.  

Os pescadores mais velhos já sofreram com a erosão no passado e estão apreensivos.  

O que ainda protege a comunidade é uma duna que existe entre ela e o mar,

o que retarda a ação das marés, do vento e das ondas.  

Venha conhecer Atafona.

A praia de Atafona é onde a natureza mais expõe suas ações.

PASSEIOS DE BARCO - LOCAÇÃO DE JET SKI - PASSEIOS DE BUGRE

PONTAL DE ATAFONA - PRAIA DE ATAFONA - BALNEARIO CHAPÉU DE SOL

PRAIA DE GRUSSAÍ - POLO GASTRONÔMICO DE GRUSSAÍ
 (Tarifas e Reservas sob consulta)

 

RUA FELICIANO SODRÉ 100

ATAFONA - SÃO JOÃO DA BARRA - RJ - BR

TEL.: (22) 2741-2465 / 9 9885-1667 / 9 9885-1668 / 9 9846-9525

ALL RIGHTS RESERVED - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

www.pousadamediterraneo.com   -   www.pousadamediterraneo.com.br

        

ATENDIMENTO 7X24 HS - (22) 9 -9953-1260 / 9-9913-2742